5 coisas sobre gestão que podemos aprender com os desenhos da década de 80 e 90.

 

Nossa infância certamente foi marcada por diversos desenhos, e durante anos nos inspiramos em heróis e personagem que aos poucos foram moldando nossa personalidade sem ao menos nos dermos conta. Mas fora o espirito de vencer grandes desafios, será que os desenhos têm alguma coisa a nos ensinar sobre gestão de negócios?

 

5 desenho

 

Respondo que sim! E listo 5 coisas que podemos aprender com os desenhos que marcaram nossa infância nas décadas de 80 e 90.

 

1 – Boas estratégias são sempre a melhor saída. ( Tom e Jerry)

 

Quem assistiu tom e Jerry sabe que a melhor saída para uma enrascada são boas estratégias. Jerry sempre mais experto que o gato, buscava maneiras eficiente de fugir de sua perseguição, e todas as estratégias obtinham êxito. Podemos relacionar as estratégias de Jerry com dificuldades que enfrentamos no mercado, como por exemplo em momentos de crise econômicas.

 

2 – Erros sempre condizem em novos aprendizados ( He-man)

 

E quem não se lembra dos conselhos que o herói dava no final de cada episódio? Nela podemos ver a constante busca por melhorias e foco de otimizar o aprendizado em toda situação.

 

O He-man foi para muitos um dos primeiros professores a ensinar a estratégia do PDCA e a importância da gestão do conhecimento com as lições aprendidas a cada projeto.

 

3 – Trabalho em equipe é a melhor maneira para desvendar uma solução. ( Power Range)

 

Nos anos 80 e 90, talvez não tenha existido nenhum indivíduo que não tenha conhecido os Power Rangers, os heróis que sempre atuavam em equipes formadas por pessoas de características e perfis diferentes, que precisavam se complementar para atingirem os resultados esperados (vencer os vilões e defender o nosso mundo). Isso ficava ainda mais em evidência, quando os monstros cresciam e o desafio se tornava aparentemente, impossível para eles resolverem, até que todos entravam em completa sinergia, simbolizada por um Megazord e o vilão era rapidamente derrotado.

 

4 – Seu problema as vezes não é o que parece (Caverna do Dragão)

 

Quem acompanhou a serie caverna do dragão sabe que nunca houve um episódio final, porém o roteiro foi feito e publicado em quadrinhos. No episódio chamado “Réquiem” (o último da saga) se revelou algo surpreendente.

 

O Mestre dos magos que passou toda saga “orientando” os jovens para voltar para seu mundo, não era quem parecia ser. Durante todo tempo ele detinha o poder de faze-los retornarem ao seu mundo.  Ao final do último episódio, os jovens fazem o Vingador, que a primeira vista era um vilão, retornar a sua forma normal no qual descobriram que o mesmo era filho do mestre dos magos. Só aí que o mestre dos magos resolveu dar a chance dos meninos voltarem ao seu mundo real.

 

5 – Nenhum problema é impossível de resolver ( Scooby doo)

 

Um dos maiores desenhos da época era o cachorro mais simpático das telinhas juntamente, com a sua equipe de jovens incheridos, que tinham a ousadia de investigar problemas considerados por muitos, como algo impossível ou sobrenatural. No entanto, o grupo chegava e observava tudo o que estava acontecendo com um olhar externo e meticuloso e no final de cada episódio, eles apresentavam as soluções para os mais variados mistérios, ou seja , faziam uma análise das partes interessadas da situação e se empenhavam em uma análise constante para descobrir o diagnóstico do problema.

 

Uma outra lição que podemos aprender com a turma da Máquina do mistério é a importância do olhar externo e do método utilizado por uma consultoria externa para resolver os problemas organizacionais, por isso, a Multiconsultoria sempre contará com jovens engajados em resolver os mais variados mistérios (problemas) da gestão de sua empresa.

 

Peça seu orçamento grátis!

 

Wellington Moura e Cauê Pitta
Gerente de Inteligência de Mercado e Diretor De Marketing- 2016

 

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *